terça-feira, 12 de outubro de 2010

COMO ÁGUIA

COMO ÁGUIA
Com as asas abertas nas alturas
Voando sem hora para parar
Tempo de sobra observar
Alguem nem tão preso, nem tão livre
No meu espaço adentrar
correntes que lhe prendem
Laços que dão nós
que se apertam...., asas presas
Pés no chão, olhos no tempo
Vontades que se freiam
Coração que aperta e doi no peito
Mãos que se elevam no ar,
Como a pedir, implorar
Asas livres? Só as do pensamento
amor contido, preso no peito
Calado, sofrido, sentido...., contido
Pássaro ferido, ferindo.
No espaço livre, voando
Cortando o céu de norte a sul.
Estou eu, livre, solta, leve.....
medindo o tempo,
correndo com o tempo,
Sem pressa de chegar,
Sem laços que me enlaçam
Sem correntes a me atar,
Como águia, sigo em frente
Sem hora marcada pra voltar, pra chegar.....
Livreeeeeee........

Nenhum comentário:

Postar um comentário