quarta-feira, 13 de outubro de 2010

AS VOLTAS QUE O TEMPO DÁ

Hoje acordei pensando
Abri a janela do tempo
No sentido oposto
E o tempo me levou para trás.
Voltei no tempo
Em um tempo de vida simples
Onde todos eram amigos
Onde, nas tardes de verão
A rua se enchia de jovens
Flores se abriam de todos os matizes
Eram jovens de corpo e alma
Na simplicidade suas vidas
Emanavam felicidade
Belas gargalhadas
Em meio a tanta beleza
Havia um belo moço
De visão ampla do futuro
Correndo atrás do tempo, mas...
Veio um forte vento
E levou na sua cauda
Pra bem longe este moço.
Muito bem preparado
Da janela do meu tempo
Recordo ainda tanta coisa....
Ah! A vida era simples
Crianças nos seus velotróis
Jovens nas suas bicicletas
Parece até que foi ontem
O tempo que não pára
O tempo que não dá tempo
O tempo que revira o tempo
Ah! Esse tempo!
Que me permite até voltar no tempo e lembrar...,
Viajar nas asas do vento
Lembrar, recordar....hum! Bons tempos!
Tempo..., ventos, chaves que abrem, que fecham, que apagam...
De volta ao tempo de hoje
Abro outra janela, num tempo presente, atual
E encontro todos de novo.
Cada um com suas histórias
Flores formadas, frutos dando frutos
Todos sem tempo.
Desperdiçando tempo e aí,
O relógio do tempo me diz que:
O tempo é vida, e a vida é tão curta, tão corrida
Que nem dá tempo de perceber que já passou
O relógio avança incansável, no seu tic tac
Nos lembrando sempre que o tempo não pára.
E na busca dos nossos sonhos
Corremos, corremos e corremos...
E nesta corrida obsessiva
Avançamos sem freios e acordamos
Oh! O tempo!
Quantos anos!
Quanto tempo!
Parece que foi ontem!
Diante de tanto tempo
Não tive tempo
De perceber que o tempo todo
A felicidade estava ali
Diante de mim, de nós...
O amor colado em nós
Na continuidade dessa corrida
Já velhos e cansados
No compasso do relógio
Vamos ficando lentos
Oxidados pelo frenético tempo
Que avisa que: O nosso tempo
Já não dá mais tempo.
Tempo corrido
Tempo vencido
Tempooooooooo!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário