quarta-feira, 13 de outubro de 2010

A CANÇÃO DE VLADIMIR

Esta é a história de um ser humano especial de 4 anos chamado VLADIMIR. Uma criança adotada por um casal que não podia ter filhos, natural dos Estados Unidos, quando passeavam na Rússia. Apesar da deficiência física, sua mente era normal, inteligente, e um certo dia ele perguntou aos seus pais adotivos; * Porque Deus me fez assim, desse jeito?* *Eu fiz alguma coisa errada?* *Minha mãe fez?* Pois bem; Os pais já prevendo este tipo de pergunta, contaram a ele uma história da Bíblia em que Jesus cura um homem que nascera cego. Peguntaram a Jesus; Quem pecou? Esse homem ou seus pais? Jesus então responde, que ninguém. Sua cegueira era uma oportunidade para que a obra de Deus fosse exposta na vida do homem. Deus tem obras grandiosas, reservadas para você e todos nós. Não importa sua condição física, mental, sócio-econômica. Esta criança fora abandonada pelos seus pais biológicos, e deixada num orfanato na Rússia. Tinha um distúrbio chamado *artrogripose* que começara a enrijecer e torcer as articulações deste menino, antes mesmo dele nascer.
Este anjo encontrou um casal de outro país, que o amaram como ele merecia, infelizmente não há tantas pessoas boas assim, povoando a terra, e os poucos que existem nem sempre são notados. Mas, voce aí como vai sua família, sua vida espiritual, seus filhos são perfeitos? Então pense neste texto acima. Tem tanta gente distribuindo maldades de toda sorte por aí, reclamando até por não ter o que reclamar, mas tem outras tantas praticando o bem, como esse casal dos E.U.A. Você também pode, como? Visitando pessoas especiais, tais como; Em hospitais, visitando pessoas especiais, presídios, creches, orfanatos, asilos, associações de pessoas especiais como a Pestalozzi, a APAE....., deve haver uma em sua cidade, visite-as. Nestes lugares você vai encontrar pessoas que só querem atenção, carinho, calor humano, amor. Disponha um pouco do seu tempo nesses lugares, e vai perceber que suas reclamações são pequenas demais em relação a tantas limitações e tantas dores,

Nenhum comentário:

Postar um comentário