sexta-feira, 26 de setembro de 2014

O TEMPO E A MÚSICA

O tempo de ontem trazido pelo vento
Que embala o tempo de hoje e vai assim embalando todos os tempos
E nesse tempo de tantos tempos está a natureza
Cantada em verso e prosa na boca dos cantores
Na brincadeira dos poetas, 
Derramando em poesias e cânticos seus amores e suas dores
Exaltando o belo dessa natureza em desencanto
No tempo passado como no presente temos os sons e tons dos músicos
Que nas suas partituras orquestram o que há de mais belo nos seus instrumentos musicais
O tempo e a música atravessam séculos de beleza e arte
Nossos ouvidos agradecem tamanha beleza auditiva
Quando ouvimos com a alma os sons dos flautistas, violinistas , saxofonistas.. pianistas......
Ainda tem os sanfoneiros forrozeiros que no teclado da acordeom encantam
Pondo toda gente pra dançar alegremente.
E nesse tempo ja esquecido vale só sentir a invasão da música
Que toma conta da alma e junta casais enamorados e amigos
Numa roda dançante que rodopia pelo salão
Num baile de formosuras e alegrias contagiantes
E assim o tempo vai passando
De mãos dadas com a música
que atravessa todos os tempo.


terça-feira, 23 de setembro de 2014

SAUDADE ESCANDALOSA

Essa bruta saudade que atravessa o peito

Fazendo doer o coração que chora

Quando vem a mim meu sorriso escancara

Se vai embora deixa a saudade na marra

Deixando seu cheiro na cama amada

Embolando meu corpo nos lençóis amarrotados

Bruta saudade que desbota minha aura

Noites cortantes de solidão danada

Grito e ouço o eco do meu grito

Que não chega ao seu ouvido surdo

Pela distancia que o vento atrapalha

Saudade escandalosa... e brutal

Que atravessa meus ais

Que faz meu ser se desfalecer de amor

Saudade brutal é o que sinto

Cada vez que se despede de mim

Deixando suas marcas que se transformam

Em saudades....... saudades demais..... brutais..


Desabafos de um pota - Meus **EUS** e meus **AIS**

Na folha em branco ali diante de mim a caneta pendia entre meus dedos trêmulos
Meu olhar distante visualizava o horizonte recebendo raios dourados do sol
O dia seguia calmo, eu ouvia o barulho da cachoeira empurrando as águas pra frente
Os pássaros felizes inquietos cantavam e pulavam nas árvores frondosas
O vento passeava acariciando minha pele balançando meus poucos cabelos
O tempo é senhor dos anéis e me leva e me balança a alma ali observadora
Sou poeta e são nas linhas desse papel que meus **ais** e meus ** eus**
Se transformam em desabafos de um poeta
Poeta que canta, que sorri, que chora e que muitas vezes traz escondido dentro da alma
Suas dores, suas tristezas, seus amores....seus sonhos.
E o desabafo de um poeta sempre termina aqui num feito assim
Feito poesias que exalam as paixões, os amores...... rumores,,
Entender essa alma não faz sentido, porque um poeta
Vai além de sua imaginação, transforma dor em alegria
Grita o silêncio que ninguem ouve....
Desabafa no olhar..... faz seus versos de um jeito sempre inédito
Vem da alma que ama, que perdôa mil vezes
Vem do coração.