sexta-feira, 11 de julho de 2014

JUÍZES

Uma balança e duas medidas
Assim faz os juízes nos seus tribunais
Mas cá fora também temos juízes de toda sorte
Com seus chicotes nas mãos ferindo sem fundamento
Suas sentenças por vezes cruéis ricocheteiam a alma vivente
Deixa corte profundos, que o tempo ameniza e cura
Mas como lembrança deixa sua marca registrada na pele e no coração
Nesse tribunal aleatório onde homens se acham na condição de réus
Onde feras feridas são julgadas, são encarcerados
Onde quem julga tem a razão que a razão desconhece
Onde os feridos gritam por justiça
Onde também muitos são injustiçados
Nesse portal infernal a vida muda de rumo
O que era ruim fica pior
Vivenciando por anos o resultado dessa balança
Só quem sofre julgamentos sabe como é
Os juízes estão por toda parte, sentenciando, condenando...
Muitas das vezes injustamente, sem nenhum conhecimento de causa
Uma balança e duas medidas, cuidado com ela.


Nenhum comentário:

Postar um comentário